Home / Blog / Veja o memorial dos deficientes físicos vítimas do nazismo

Veja o memorial dos deficientes físicos vítimas do nazismo

Uma seleção das cruzes dispostas. Crédito: ITV News Tyne Tees

O tempo de guerra, sugeriu Adolf Hitler, “era o melhor momento para a eliminação dos doentes incuráveis”. Muitos alemães não queriam se lembrar de indivíduos que não se adaptaram ao conceito de “raça mestre”. Os deficientes físicos e mentais eram vistos como “inúteis” para a sociedade, uma ameaça à pureza genética ariana e, em última instância, indignos de viver. No início da Segunda Guerra Mundial, indivíduos que eram chamados “mentalmente retardados”, “deficientes físicos” ou “doentes mentais” eram alvo de assassinato no que os nazistas chamavam de “T-4” ou “eutanásia”.

Apesar dos protestos públicos em 1941, a liderança nazista continuou esse programa em segredo durante toda a guerra. Estima-se que cerca de 200 mil pessoas com deficiência foram assassinadas entre 1940 e 1945. Embora esse não seja o número divulgado oficialmente em 1941, quando supostamente o programa teria sido encerrado, totalizando até ali mais de 70.000 vítimas.

Milhares de pares de cruzes vermelhas estão em exibição na Catedral de Durham neste fim de semana, como parte de um projeto internacional para coincidir com o “Memorial Day” do Holocausto.

Uma baideira completa, exposta na Catedral de Durham (Inglaterra) Crédito: ITV News Tyne Tees

Há mais de um ano, grupos comunitários, escolas e indivíduos criaram pares de cruzes vermelhas. Cada par representa uma pessoa com deficiência, que foi morta pelo regime nazista no início da década de 1940. A ideia começou nos Estados Unidos e desde então foi adotada em outros lugares.  As cruzes foram costuradas, tricotadas e desenhadas.

Está iluminando uma parte sombria da história, algo que muitas pessoas não estão conscientes e penso que, como hoje, as pessoas com deficiência podem se achar ignoradas e esquecidas, é uma maneira de aumentar a consciência, não apenas do que aconteceu no passado, mas de pessoas hoje.

– MARY TURNER, EMBAIXADORA DO PROJETO

O empreendimento foi nomeado o Projeto 70273; uma referência ao número de pessoas com deficiência mortas pelos nazistas nos anos 1940-41. O objetivo final é criar 70.273 pares de cruzes. Estima-se que o projeto esteja atualmente a meio caminho desse objetivo.

Fonte: iTV News e Museu do Holocausto Americano. | Tradução e adaptação: Aura Souza – Equipe Silvio Santo.

Sobre admsilvio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *